quinta-feira, 15 de outubro de 2015

O serviço de tradução + modelagem de CVs

Frequentemente, meu cliente claramente tem sólidas experiências e qualidades requisitadas no mercado de trabalho. Contudo, por pressa, falta de prática ou insuficiente distancia crítica, não consegue transmitir essas informações de forma sucinta, clara e atrativa no seu currículo:
  • O documento é longo demais... 
  • A formulação das frases é desnecessariamente complicada... 
  • O CV tem muitas repetições e redundâncias... 
  • A formatação é confusa... 
  • Ou uma combinação de tudo o que precede. 

O resultado é uma oportunidade perdida. No melhor dos casos, um CV mal feito simplesmente não chama a atenção. No pior, ele imediatamente desqualifica o candidato.

Felizmente posso ajudar. Depois de tantos anos traduzindo CVs, adquiri a experiência e o conhecimento para transformar seu currículo naquilo que deve ser: seu cartão de visitas.

Diferença entre tradução técnica e o serviço de modelagem.

Muitas vezes me perguntam se faço um tradução literal. Não, nunca!

Mesmo na tradução técnica, tomo o cuidado de adaptar a formulação e o ritmo das frases para que o texto flua e soe bem em inglês.

Por exemplo:
"Elaboração de demonstrações financeiras”
Vira:
“Drafted financial statements” e não “elaboration of financial demonstrations”

Mas de resto não faço nenhuma grande alteração no conteúdo, na formatação ou na estrutura. O resultado é um CV em inglês que é fiel ao original em português. Se você está satisfeito com o seu CV em português, a tradução técnica é a opção recomendada.

Quando faço a modelagem, no entanto, transformo seu currículo de acordo com as melhores práticas internacionais:
  • Eliminando informações desnecessárias ou redundantes 
  • Ordenando os dados de forma mais clara e convincente 
  • Utilizando frases curtas e impactantes 
  • Empregando uma formatação elegante e convidativa. 

O resultado é um CV atrativo que apresenta qualidades e experiências de forma clara e persuasiva. Ou seja, tudo que um currículo realmente deve ser.

Confira aqui uma comparação de uma tradução técnica com uma tradução com modelagem do mesmo CV.

ou

Contrate agora o serviço de tradução + modelagem





sexta-feira, 27 de março de 2015

Em CVs, memos é mais

Já escrevi sobre isso antes no meu Blog, mas já que continuo recebendo obras enciclopédicas que se passam por currículos, sinto me compelido a enfatizar:

Seu currículo tem mais de três páginas? Então ele está longo demais. Ponto.

E não sou eu que digo, veja aqui a opinião de especialistas na revista exame.

terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

Como traduzir seu perfil no LinkedIN

Você sabia que o LinkedIN permite a vinculação de perfis em vários idiomas à mesma conta?
Ou seja, você pode ter um perfil em português e outro em inglês e o LinkedIN abre sempre aquele que for mais relevante para a pessoa que está visitando.
Muito prático! E vamos ser honestos, se você ainda não tem um perfil em inglês, está perdendo oportunidades.
Por isso, segue aqui um passo a passo sobre como criar um perfil em um segundo idioma.

  1. Abra seu perfil. Ao lado do botão “EDITAR” tem uma setinha para um menu suspenso. Passe seu mouse por cima da setinha.



  2. Aparecerá um menu com as opções de edição. Escolha a opção “Criar perfil em outro idioma”

  3. Agora você pode escolher o idioma inglês do menu suspenso, e, se quiser, alterar suas informações pessoais (Note que o texto que você utilizou no perfil original é exibido como referencia em uma barra azul). Quando tiver feito as alterações desejadas, clique em “Criar Perfil”.

  4. Você criou seu perfil em inglês. Agora só falta traduzir o conteúdo do seu Resumo e Experiência Profissional para o inglês. Depois clique em “Concluir Edição”.

  5. Pronto, você agora tem um perfil em inglês. Qualquer potencial parceiro comercial estrangeiro será direcionado automaticamente para seu perfil em inglês. 

P.S. Se tiver dificuldades para traduzir seu perfil para o inglês, nós podemos ajudar. Traduzimos qualquer perfil de LinkedIN (até 1000 palavras) por R$ 119.

quinta-feira, 23 de janeiro de 2014

O que nos motiva?

É assim que o mundo corporativo Brasileiro acha que se motiva um funcionário: use a cenoura, e, se a cenoura não funcionar, dê-lhe o chicote.

A cenoura é o bônus, os benefícios, o salario. O chicote é aquela bronca, a permanente ameaça de demissão.

É uma ideia simples, mas também uma que já foi totalmente desmistificada pela ciência.

Para qualquer trabalho que exige um pingo de criatividade, a promessa de um bônus, ou de um pé no traseiro, não melhora nossa performance. Muito pelo contrário:

(legendas em português devem ativar automaticamente, senão clique no vídeo para seleciona-las)

terça-feira, 5 de fevereiro de 2013

Seu currículo salta da página?

Você se esforçou para listar todas as habilidades que possui. Não deixou uma experiência, uma responsabilidade de fora. Você explicou que é dinâmico, proativo, focado em resultados e tudo mais. Este é, com certeza, seu currículo mais completo.

Você manda sua obra suada para 100 vagas de emprego e... ...nada!

Quer dizer, nada não. Você recebe algumas respostas que começam mais ou menos assim: “Agradecemos sua participação, mas...”

Poucas coisas são mais frustrantes na caça a um novo emprego.

Será que faltou alguma coisa? Será que precisa colocar referencias profissionais? Será que precisa explicar que é realmente um cara legal?

Não!

A explicação mais provável é que seu CV tem é informação demais. O recrutador deu uma olhada na sua obra enciclopédica, viu a pilha de 1000 outros CVs e pensou: “sabe o que, tá na hora do almoço”.

Nas minhas traduções, me deparo frequentemente com currículos que pecam pelo excesso. Além disso, estão cheios de chavões corporativos e aquelas frases que não terminam nunca: “Experiência na área de marketing, sendo responsável pelo planejamento estratégico, conduzindo projetos..., liderando times..., controlando custos..., elaborando relatórios..., criando campanhas..., etc.”

Parecem ter saído de uma fábrica de gerúndios e particípios.

Um currículo é seu cartão de visitas! Não deve ser exaustivo, nem igual a todos os outros. Isso sim é a receita certa para dar sono no pobre analista do RH.

Um currículo deve demonstrar suas habilidades e experiências de forma sucinta. Desde que mantenha esta regra em mente, não há perigo em inovar no estilo, de colocar um pouco de sua personalidade no documento. Porque é assim que vai conseguir a atenção daquele recrutador sonolento. 

Quer um pouco de inspiração? Então vão aí alguns formatos de CVs absolutamente inovadores que saltam da página:







segunda-feira, 5 de novembro de 2012

Barack Obama será reeleito

Amanhã os americanos vão às urnas para eleger seu presidente e se for para acreditar a cobertura aqui no Brasil a disputa entre o atual presidente, Barack Obama, e seu oponente, Mitt Romney, está acirradíssima.

Basta uma análise um pouco mais profunda das pesquisas de opinião e do processo eleitoral americano, porém, para perceber que esta eleição já foi praticamente decidida. E Romney já pode cancelar a mudança, porque na Casa Branca, ele não entra.

Sim, Obama e Romney estão praticamente empatados no voto popular, mas não é o voto popular que elege presidentes nos EUA. Em vez disso, os americanos usam um colégio eleitoral.

No sistema do colégio eleitoral, cada estado é atribuído um número de delegados de acordo com sua população e são eles que elegem o presidente. O candidato que ganhar uma maioria dos votos em um determinado estado, leva TODOS seus delegados.

Agora imagine que os EUA só tivessem três estados: Texas (com 38 delegados), Nova Iorque (29) e Ohio (18). Ninguém dúvida que a maioria dos eleitores do conservador estado de Texas irá votar em Romney. Igualmente, seria uma surpresa de proporções astronômicas se Obama não levasse os delegados de Nova Iorque. O único estado que realmente está em jogo, é Ohio. Quem ganhar a votação neste “Swing State”, não importa se for por só um voto, leva todos seus 18 delegados e ganha a eleição.

E aí está a questão, no mundo real Obama lidera ou empata as pesquisas de opinião em quase todos os “swing states”. A única esperança que Romney tem de se tornar o homem mais poderoso do planeta, é se quase todas as pesquisas em quase todos os estados estiverem erradas. (uma chance que o estatístico Nate Silver coloca em menos de 15%).

Ou seja, esta eleição esta tão acirrada quanto o segundo turno para prefeito em São Paulo.